Patrono 2017 - Paulo Flávio Ledur

terça-feira, 8 de maio de 2018

Feira do Livro de Caçapava encerrou neste final de semana

Encerrou neste final de semana, a 28ª edição da Feira do Livro de Caçapava do Sul. 

Na sexta-feira, dia 4, o grupo Maturidade Ativa do Sesc-Caçapava do Sul tiveram uma Mini Oficina Literária 88 Palavras, dentro da programação da Feira do Livro.

A oficina foi ministrada por Lislair Leão Marques, autora do Blog 88 Palavras. Este Blog trabalha pensamentos de modo conciso, uma adaptação para as tecnologias de atualmente que oferecem excesso de informação, ou seja, para a necessidade de ler e expressar com poucas palavras.

Nesta oficina, foi apresentada uma temática inspirada na escritora Cecília Meireles na obra “Cânticos” e a seguir exercitada através deste tema a expressão em escrita.

Depois da atividade, o grupo teve a oportunidade de visitar a Feira do Livro, no Salão Paroquial que está repleta de atrações literárias e atividades artísticas. Também tem no espaço um Café e estandes com livros diversos, para todas as idades, que podem ser adquiridos a baixo custo.

No sábado, dia 5, o dia foi dedicado aos escritores caçapavanos: Alcy Cheuiche, Ariane Severo, Bernadete Saidelles, Claremi Teixeira, Mariângela Lindner Fighera, Renata Miranda e Rivadavia Severo.

No domingo, dia 6, último dia de Feira, foi dedicado ao cineasta Tabajara Ruas, que esteve presente no evento literário. Na ocasião, foram mostradas imagens do novo filme de Tabajara Ruas: "A Cabeça de Gumercindo Saraiva”. Após, ocorreu um debate sobre a adaptação do livro para a tela. O momento musical com Nei Beck e convidados, foi à última atração antes do fechamento dos estandes. 

Exposição Caçapava do Sul Aérea vai até o dia 31 de maio

Por Assessoria de Imprensa Câmara de Vereadores

A exposição “Caçapava do Sul Aérea” que teve lançamento durante a programação da Feira do Livro, permanecerá aberta ao público até o dia 31 de maio, no Espaço Cultural Legislativo, na Câmara de Vereadores.

São vinte imagens aéreas do centro histórico urbano, captadas por drone por Alessandro Paz, com a pesquisa e arte de Lislair Leão Marques.

A exposição é realizada pelo Projeto Caminhos do Sul da América e as fotos poderão ser vistas durante o horário de expediente da Câmara, das 9 às 15h.

Homens na cozinha, promovido pelo Lions Clube aconteceu neste domingo

Neste domingo, dia 06, aconteceu na AABB de Caçapava do Sul o tradicional evento do Lions Clube, “ Homens na Cozinha”. O encontro é realizado todos os anos no domingo de encerramento da Feira do Livro de Caçapava.

Na edição de 2018, o “Homens na Cozinha” foi coordenado pelo integrante do Lions Clube, Ricardo Rosso, e reuniu mais de 200 pessoas. Cada homem integrante do Clube faz um prato salgado para ser servido aos convidados e as mulheres são responsáveis pelo doce.

Todo ano o dinheiro arrecadado da venda dos ingressos é doado a uma entidade social de Caçapava do Sul. Neste ano, a ASCAI será a instituição beneficiada.

Legislativo faz homenagem aos 60 anos do Cônego e aos 50 anos da APAE

Na noite desta sexta-feira, dia 04, a Câmara de Vereadores de Caçapava do Sul realizou uma sessão solene em homenagem aos 60 anos da fundação da Escola Estadual Cônego Ortiz e aos 50 anos de existência da APAE de Caçapava.

A homenagem aconteceu no salão paroquial, dentro da programação da 28º Feira do Livro de Caçapava do Sul. O evento reuniu o Presidente da Câmara, Marquinhos Vivian, e os demais vereadores, o Vice Prefeito Luiz Carlos Guglielmin, a Patrona da Feira, Ariane Severo, o Padre Rudinei Lasch, a diretora da Escola Cônego Ortiz, Lucélia do Couto, junto com sua equipe diretiva e professores do educandário e o Presidente da APAE, Luiz Alberto Coradini.

O Vice Presidente da Câmara, Vereador Silvio Tondo, falou na sessão em nome do Poder Legislativo e cada entidade homenageada teve a oportunidade de fazer a sua manifestação.

Maturidade Ativa participa de Oficina Literária 88 Palavras

O grupo Maturidade Ativa do Sesc participa de Oficina Literária O grupo Maturidade Ativa do Sesc-Caçapava do Sul tiveram, na sexta feira (4) uma Mini Oficina Literária 88 Palavras, dentro da programação da Feira do Livro.

A oficina foi ministrada por Lislair Leão Marques, autora do Blog 88 Palavras. Este blog trabalha pensamentos de modo conciso, uma adaptação para as tecnologias de atualmente que oferecem excesso de informação, ou seja, para a necessidade de ler e expressar com poucas palavras. Nesta oficina, foi apresentada uma temática inspirada na escritora Cecília Meireles na obra “Cânticos” e a seguir exercitada através deste tema a expressão em escrita.



Depois da atividade, o grupo teve a oportunidade de visitar a Feira do Livro, no Salão Paroquial que aconteceu de 27 de abril a 6 de maio, repleta de atividades com talentos locais artísticos e literários.

APAE de Caçapava do Sul completa 50 anos

Equipe da APAE
Fundada em 03 de maio de 1968, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) completou 50 anos de existência nesta quinta-feira. Atualmente a sua diretoria tem na presidência o empresário Luiz Alberto Coradini e a escola especial, sob a coordenação da diretora Marinês Razzera Huerta, conta com uma equipe de trabalho composta por professores, técnicos e funcionários, num total de 28 profissionais, para o atendimento médio mensal de 150 alunos deste município e de Sanatana da Boa Vista.

Para registrar a data do seu cinquentenário, a entidade realizou confraternização interna com a presença de ex-professoras e programou diversos eventos a ocorrerem até o final deste ano. Estão previstos um super bingo beneficente, jantar-baile e o lançamento de boletim informativo, entre outros. Uma camiseta comemorativa ao aniversário está à venda, sob encomenda, ao preço de R$ 20,00.

Na terça-feira, dia 1°, a entidade filantrópica recebeu homenagem especial da Feira do Livro, oportunidade em que houve apresentação do Grupo de Expressão Corporal da APAE, sob a coordenação da professora Ana Lúcia Rockembach; manifestação da oradora Marilene Perez Chaves; depoimento do presidente Luiz Alberto Coradini; e apresentação do trabalho da APAE, através de painel coordenado pela diretora Marinês Razzera Huerta.

E nesta sexta-feira, dia 04, às 19 horas, haverá mais uma homenagem pelo aniversário, desta vez por iniciativa da Câmara de Vereadores, através de sessão solene a ser realizada no Salão Paroquial, também como parte da programação da Feira do Livro 2018.


Por Osvaldo Carlos Dias

terça-feira, 1 de maio de 2018

Fotografias de Juliano Porto

Estão expostas 30 fotografias de autoria de Juliano Porto, no Salão Paroquial, dentro da 28º Feira do Livro de Caçapava do Sul. A exposição é denominada “As Belezas de Caçapava”.

Para o fotógrafo Juliano “Olhando a nossa terra observamos quanto bela é. Caçapava do Sul realmente é a capital da beleza que flui do seu revelo esculpida pela mãe natureza.”

Vale conferir, são belas as imagens, como as duas abaixo:

Hora do conto e apresentação teatral marcam à tarde desta segunda-feira na Feira do Livro

 Por Eduardo Schneider

As atrações da tarde desta segunda-feira, dia 30, na Feira do Livro foram voltadas ao público infantil. A primeira atividade para a criançada foi “O dia que o monstrinho veio à escola” com a prof.ª Silviane Delgado de Freitas.

Na sequência, teve interpretação da música "Paz", pela Escola de Educação Infantil Arco Íris e a música "Um lindo arco íris", pela Escola de Educação Infantil Garatuja. O último atrativo no Salão Paroquial foi o Teatro “A Pílula Falante”, em homenagem a Monteiro Lobato, coordenado pela prof.ª Adriana Inácio, da Escola Coeducar.


A partir das 19 horas, seguem as atividades da Feira Livro, que nesta segunda é dedicada à obra de Érico Veríssimo. O escritor homenageado é Pedro Brum Santos. Haverá palestra sobre empreendedorismo com Anderson Albarnaz e um estudo da obra de Érico Veríssimo, do escritor Pedro Brum Santos, além de atrações artísticas.

Mini Oficina Literária 88 Palavras

A atividade literária cresce de modo exponencial, e considerando os avanços tecnológicos de acessibilidade e excessiva informação é necessária que a produção literária seja concisa e de fácil interpretação.

A partir de um desenvolvimento de um tema, contemplando as atuais necessidades de comunicação, será ofertada dentro da programação da 28º Feira do Livro de Caçapava do Sul a Mini Oficina Literária 88 Palavras.
Acontece no dia 4 de maio, no Sesc-Caçapava do Sul, as 14h, ministrada por Lislair Leão Marques, autora do Blog 88 palavras.


A 28º Feira do Livro de Caçapava do Sul também tem a contribuição do Projeto Caminhos do Sul da América, também de autoria de Lislair,  no gerenciamento do Estande do Sebo. 

Angélica Rizzi participa da 28ª Feira do Livro no dia 3 de maio

A cantora, compositora, jornalista e escritora Angélica Rizzi é uma das atrações da 28ª Feira do Livro de Caçapava do Sul. A autora gaúcha participa do evento na quinta (3/5), às 14 horas, com o Sarau Poetinhas Iluminados, dedicado ao público infantil. E depois, às 19 horas, com o Sarau Poetas Iluminadas, onde a artista acompanhada do músico Davi Moreira apresenta um mix de música e literatura. O local das apresentações é no Salão Paroquial. A entrada é gratuita.

O Sarau Poetas Iluminadas de Angélica Rizzi é um dos destaques do trabalho da artista que é natural de Estrela no Vale do Taquari, mas que está radicada há mais de duas décadas na capital gaúcha. Um evento multimídia, dinâmico e interativo, onde Angélica fala de sua trajetória como jornalista, escritora e cantora/compositora. Há também espaço para ela homenagear seus ídolos literários e musicais. Angélica também apresenta canções autorais e releituras de sucessos do pop nacional e internacional.

No dia 20 de março deste ano, Angélica venceu como melhor intérprete POP no Prêmio Açorianos de Música 2016/2017, a maior premiação da música do Rio Grande do Sul. Seu mais recente CD 'Se Somos Nós', lançado em dezembro de 2016, concorreu como melhor álbum POP. O novo CD de Angélica e seus livros adultos e infantis estão disponíveis para compra na Feira do Livro e na próxima quinta-feira, durante o evento, a artista faz sessão de autógrafos.

Com uma trajetória profissional que conta mais de uma década, Angélica Rizzi é na atualidade um dos principais nomes femininos do universo artístico do Sul do país. Possui 13 livros publicados: uma coleção poética com cinco títulos chamada ‘Arco-Íris Poético’(2002); um livro de contos ‘Clube dos Solitários’(2010); um romance ‘O Poeta mais Velho do Mundo’ (2011); quatro obras de literatura infantil: ‘Manoelito o palhaço tristonho’ (2009); ‘Sol e as Ovelhas’ (2010); ‘Júlia a estrelinha’ (2011) e ‘O Pituco’ (2015). No final de 2016, lança sua primeira obra infantojuvenil ‘Todos os amigos de Clarice’, uma homenagem a um de seus ídolos literários, a escritora Clarice Lispector (1920-1977). Em 2017, lançou seu segundo infantojuvenil 'A Filha do Poeta', que de forma lúdica e metafórica faz alusão à mitologia greco-romana. Em seu trabalho musical, Angélica tem três CDs lançados ‘Águas de Chuva’ (2009); Angélica Rizzi à italiana (2011) e ‘Se Somos Nós’ (2016).

Os livros de Angélica Rizzi já foram adotados em diversas escolas do RS e também em instituições de ensino de SP, RJ e MG. A autora já participou de dezenas de feiras do livro e eventos culturais Brasil afora como a Bienal Internacional do Livro de Alagoas e a Feira Literária Raul Pompeia em Angra dos Reis. Suas composições podem ser ouvidas em várias rádios do Brasil e também de países como Uruguai, Argentina, Japão, Itália e Peru.

Em 2017, divulgou seu trabalho literário e musical na Argentina, no Uruguai e no Peru. A artista gaúcha foi entrevistada num dos principais programas da Rádio Uruguay 1050 AM, El Mural. No dia 23 de abril do ano passado, Angélica ganhou um especial e foi a artista da semana na rádio peruana Bossa Nova Peru Radio. Angélica também esteve divulgando seu trabalho na TV Pública Argentina e na cidade de La Plata.

‘O Pituco’: livro infantil de grande sucesso de Angélica Rizzi

O Pituco é a história de um cãozinho em situação de abandono que é adotado por um veterinário e sua família.  O argumento para o livro surgiu a partir de um fato real presenciado pela autora no ano de 2011, o cãozinho ‘Pituco’ realmente existe e hoje está muito bem amparado. A obra escrita por Angélica mistura realidade e ficção e tem sido um sucesso entre pais e filhos, educadores e, claro, o público ‘Pet Friendly’. O Pituco já foi destaque no maior portal de notícias sobre animais do mundo, da ANDA (Agência de Notícias de Direitos Animais). 

Mais sobre Angélica Rizzi:

A autora que também é cantora e compositora formou-se em Jornalismo pela Unisinos. Participou de oficinas literárias como a do Instituto Camões de Portugal, a do escritor Charles Kiefer e também ‘Alquimia da Palavra’ de Sérgio Côrtes. Fez também ‘curso de clown’ com Tuta Camargo e teve aulas no TEPA (Teatro Escola de Porto Alegre), ministradas pelo ator e diretor Adriano Basegio. Foi voluntária na associação sem fins lucrativos ‘Viva e Deixe Viver – Contadores de Histórias’, onde visitou hospitais contando histórias para crianças internadas.

Encenando a peça infantil ‘Manoelito o palhaço tristonho’ de sua autoria que deu origem ao livro homônimo visitou comunidades carentes da Grande Porto Alegre como a ‘Vila dos Papeleiros’ em Gravataí. Também fez contação de histórias e apresentação musical para internas da ala psiquiátrica do Hospital Materno Infantil Presidente Vargas na capital. Quando do lançamento de 'O Pituco' em Belo Horizonte, doou exemplares da obra para a Associação Bichos Gerais no bairro do Horto na capital mineira, ONG que atende animais de forma gratuita.


Serviço:

Angélica Rizzi participa da 28ª Feira do Livro de Caçapava do Sul
Quando: 3 de maio, quinta-feira
Local: Salão Paroquial do município
Horário das atividades com a autora: 14 horas (Sarau Poetinhas Iluminados), público-alvo: infantil ; 
19 horas - Sarau Poetas Iluminadas - Apresentação que mescla música e pitacos literários com a participação do músico Davi Moreira acompanhando Angélica Rizzi 
Entrada Franca

Livros da autora à venda no local

Saudação de Paulo Flávio Ledur a Ariane Severo

Saudação de Paulo Flávio Ledur, por ocasião da transmissão de cargo de Patrono a escritora Ariane Severo, escritora caçapavana Patrona da Feira do Livro de 2018:
Escritor Paulo Ledur, imagem de Juliano Porto
1. Minha ligação com a Feira do Livro de Caçapava

Minha ligação com Caçapava do Sul, em especial com sua Feira do Livro, já soma mais de 20 anos. Em cerca de dez ocasiões, fui distinguido com convites para palestras, oficinas e cursos. Desde aquele primeiro “ô de casa”, criou-se em mim o sentimento de cidadão caçapavano, de pertencer a esta linda comunidade.

Tudo isso culminou com a homenagem cultural máxima que um caçapavano pode almejar: ser patrono da Feira do Livro de Caçapava do Sul. Foi exatamente isso que meus amigos desta terra reservaram para mim no ano passado, o que me fez sentir o mais feliz dos conterrâneos.

Desde a minha primeira participação neste evento fui alimentando a sensação que virou convicção: a Feira do Livro de Caçapava do Sul é a mais organizada, autêntica, abrangente e popular do interior do Rio Grande do Sul. Justifico:

Primeiro: é a mais organizada, porque realizada por uma equipe coesa formada por voluntários da cultura do Município e que se autoconstituiu, não havendo qualquer ato formal que a nomeasse. Uma equipe que há mais de dez anos espontaneamente se submete à natural liderança de seu coordenador, Pedro Vanolin. Uma equipe em que não há disputa de espécie alguma. Uma equipe movida a entusiasmo em que cada um tem suas funções a cumprir. Uma equipe em que todos se dão as mãos. Uma equipe que sabe granjear o apoio dos diversos segmentos comunitários que compõem a sociedade caçapavana, incluindo a Igreja Católica, que cede gratuitamente este importante espaço, e de outras confissões religiosas. Uma equipe que conquistou o apoio dos poderes Executivo e Legislativo do Município. Uma equipe com o entusiasmo dos amadores, mas organizada dentro das melhores técnicas de administração. É óbvio que um evento assim conduzido só pode primar pela organização.

Segundo: é a mais autêntica, porque tem como foco principal os valores culturais do Município e da região em que este está inserido. Todas as manifestações culturais típicas desta terra são convidadas a participar. Prova isso também a escolha do patrono, que a cada dois anos recai sobre algum escritor do Município, como é o caso deste ano.

Terceiro: é a mais abrangente. Durante o período de realização do evento, passam por aqui não apenas as letras representadas pelos escritores e sua obras, mas também a música, o teatro e a dança, em suas variadas formas, são aqui contemplados. A educação está sempre aqui de corpo e alma, certamente como a área mais beneficiada pelo evento, graças ao indispensável objetivo pedagógico de termos estudantes leitores. Também a saúde e as importantes ações sociais desenvolvidas no Município, como é o caso da APAE, participam ativamente. Outro bem essencial na vida do cidadão caçapavano é o cultivo da espiritualidade, representada aqui por variadas crenças, em desejável convivência ecumênica.

Quarto: é a mais popular, pois está de portas abertas a todos os cidadãos, não distinguindo qualquer segmento social, econômico, de credo, de raça ou outra forma qualquer de discriminação. São espetáculos culturais diários de variada ordem, colocados gratuitamente à disposição de todos, caçapavanos ou não.

2. Saudação à patrona Ariane Severo

Por fim, minha saudação muito especial e carinhosa à escritora e psicanalista ARIANE SEVERO, ilustre filha desta terra e mais uma prova de que a fruta não cai longe do pé, já que integra família de importantes intelectuais, como o tio José Antônio Severo, patrono da 26.ª edição desta Feira, e o pai, Rivadávia Severo, que também já foi patrono. Passar à Ariane honraria tão especial como a de Patrona da Feira do livro de Caçapava do Sul, além de significar para mim extraordinário privilégio e incomparável prazer, é também uma oportunidade ímpar de testemunhar publicamente minha admiração pelo fulminante crescimento que ela alcançou nos últimos anos como escritora hoje plenamente afirmada nas letras rio-grandenses e brasileiras, conquista que atribuo não apenas a dotes naturais inscritos em seu DNA, mas, sobretudo, ao seu entusiasmo e denodo no cultivo da estética literária e no estudo das grandes causas que movem a humanidade.

Prova maior disso é seu último livro: NINA, Desvendando Chernobyl, uma narrativa marcante desenvolvida em torno do desastre que representou o vazamento, em 1986, na Usina Nuclear de Chernobyl, na então União Soviética. Foi uma das maiores tragédias vividas pela humanidade, que matou centenas de milhares de pessoas e deixou terríveis sequelas para os próximos milênios.

Com rara desenvoltura, lançando mão da psicanálise e dominando por inteiro a arte literária, Ariane desvenda os mais íntimos rincões da alma humana, revelando profundos, doloridos e aparentemente imperceptíveis sentimentos que mexem com as sutilezas da dignidade humana.

A preocupação da Ariane em torno das tristes consequências de tragédias como a de Chernobyl se estende a outras áreas do mundo, como o Japão, onde, em 2011, ocorreu o acidente nuclear de Fukushima, e chega ao nosso país, fixando-se no desastre de Mariana, mas não deixando de passar pelo acidente radiológico ocorrido em Goiânia em 1987.

Pelo nível estético do texto, pela abordagem que faz e pelas emoções que provoca no leitor, tenho a profunda convicção de que Nina fará a trajetória que só as grandes obras literárias podem alcançar.

Mas, esta é apenas uma das diversas obras da autora aqui homenageada, como revela a sucinta biografia publicada numa das abas do livro. Apesar disso, tenho a clara sensação de que a carreira literária de Ariane Severo está apenas começando. O que produziu até esta data é apenas um espelho da brilhante carreira literária que está sendo traçada.

Por isso e pelos sentimentos de respeito, admiração e amizade que nutro por Ariane Severo, é com muito orgulho que lhe transfiro o comando do patronato da Feira do Livro de Caçapava do Sul.

Muito obrigado, caçapavanos!