Patrono 2017 - Paulo Flávio Ledur

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Ausência de escritores não apagou o brilho da Feira do Livro

Fonte: Gazeta de Caçapava


A 22ª edição da Feira do Livro de Caçapava bateu recorde de público e vendas. Foram comercializados 1.442 títulos, que totalizaram R$ 25.116,60.

Também foi marcada pela ausência dos escritores: Alcy Cheuiche, Walter Galvani, Jane Tutikian e José Antônio Pinheiro Machado, conhecido pelo personagem Anonymus Gourmet, porém isso não atrapalhou o andamento e nem apagou o brilho do evento. Adultos e crianças que prestigiaram os dez dias de feira puderam ler na biblioteca do Sesi, brincar com o escritor Mário Pirata, viajar com Airton Ortiz, ouvir as histórias de Maria Rita Py Dutra e as poesias de Dilan Camargo. Além dos shows e apresentações artísticas que diversificaram a programação.

- Ficamos impactados por cada uma das más notícias, mas imediatamente procuramos alternativas de solução, fazendo inclusões de última hora na programação. Graças à criatividade da equipe, ao esforço e imaginação de alguns membros da Comissão Organizadora, embora sentíssemos a ausência destes grandes expoentes da Literatura Brasileira. Me arrisco a dizer que não houve prejuízo expressivo para a Feira do Livro, os números realmente falam por si, obtivemos a maior venda de todos os tempos. Esses episódios servem de estímulo, pois diante dos problemas surgem as soluções, que trazem consigo aprendizado e experiência. Busca-se forças e novas energias para disponibilizar ao público alternativas interessantes, que mantenham o ritmo da programação - analisou Pedro Vanolin Macedo, coordenador geral do evento.

A comunidade literária homenageou o patrono, Rivadavia Severo, o professor Eduardo Marin, a poetisa Binóca da Costa Walmarath, o carnavalesco Francisco Acidemar Nunes (Tio Cida) e os escritores caçapavanos: Zeno Dias Chaves, Alfredo Laureano de Brum Sobrinho, Euclides Pinto Torres, Ivan Pessoa Moreira, Lislair Leão Marques, Lori da Rosa Krusser, Felícia Teresinha Soares Lopes e José Antônio Severo. Durante o show musical Mestiço, no encerramento da feira, domingo à noite, o músico Darlan Freitas interagiu com a platéia, que caiu no samba recordando letras e melodias carnavalescas.

Devido ao sucesso da 22ª edição, os organizadores marcaram uma reunião de avaliação e devem começar a preparação para a próxima feira. O encontro será realizado na segunda-feira, dia 21, às 9 horas, na Secretaria de Educação e Cultura (Seduc).

Por que eles não vieram
 
De acordo com o coordenador, os escritores justificaram a ausência na feira. O jornalista Walter Galvani comunicou que estaria recebendo um irmão que viria de São Paulo e que não via há anos. O escritor Alcy Cheuiche informou que seu cunhado não estava bem de saúde e que sua irmã solicitava sua presença urgente no hospital em Brasília.

A escritora Jane Tutikian sentiu fortes dores na coluna e foi proibida pelo seu médico de viajar. Preocupada por não atender o seu compromisso com a Feira do Livro, ligou para diversos escritores e escritoras tentando encontrar alguém que a substituísse. Apesar do seu esforço, não encontrou ninguém com disponibilidade de tempo. Mandou mensagem gravada em vídeo e também mensagem de texto para explicar a sua ausência.

Uma contrariedade de integrantes da comitiva do Anonymus Gourmet com o motorista da Prefeitura que foi buscá-los em Porto Alegre pode ter sido o motivo da ausência do escritor no almoço festivo Homens na Cozinha e no encerramento da Feira do Livro. Depois de percorrer um trecho inicial da viagem, o motorista parou no acostamento para atender telefonema de um dos coordenadores da Feira de Caçapava. Foi então que o escritor decidiu retornar à Capital.

Acompanhe o balanço que a comissão organizadora e o patrono fizeram do evento e a justificativa dada por Anonymus Gourmet sobre sua ausência.

Escritor José Antônio Pinheiro Machado




Gazeta - Gostaríamos de falar sobre a 22ª Feira do Livro de Caçapava do Sul. Sua participação no almoço festivo Homens na Cozinha, promovido pelo Lions Clube, foi muito aguardada pela comunidade. O senhor poderia esclarecer o motivo de sua ausência? Houve algum mal entendido? A organização do evento deixou de cumprir o combinado?

Aguardamos uma resposta, pois o senhor além de ter sido patrono da feira em 2011, é reconhecido no meio jornalístico, jurídico e gastronômico. Agradecemos a atenção e contamos com sua colaboração.

 
Redação Jornal Gazeta
 
Prezados

Agradeço sua mensagem e as referências a meu respeito. Aproveito a oportunidade para dizer o quanto lamentei a absoluta impossibilidade de comparecer ao almoço festivo e ao encerramento da Feira do Livro, impedimento que foi comunicado ainda na manhã de domingo ao Sr. Pedro.

A senhora me diz que minha presença era muito aguardada. E eu lhe digo que minha família e eu tínhamos imensa expectativa, e nos preparamos muito para o almoço festivo de domingo e para o convívio na Feira do Livro: cancelamos compromissos, contornamos obstáculos aparentemente incontornáveis e fomos dormir tarde no sábado para preparar lembranças que expressassem o quanto esse carinho de vossa comunidade nos comove e nos encanta.

Caçapava do Sul tem sido uma referência permanente para mim e minha família. Terra de queridos e antigos amigos fraternos: José Antonio Severo, Remaldo Cassol e tantos outros... Todos sabem que, há vários anos, sempre encontrei espaço na agenda para atender os convites dessa comunidade tão querida, no magnífico evento Homens Cozinha e na Feira do Livro, cujo prestígio transbordou dos limites da cidade e tornou-se referência cultural obrigatória do Estado. Na Feira do Livro fui honrado com a condição de patrono em 2011, distinção que significou e significa muito para mim. Tanto que, impossibilitado de comparecer à transmissão do honroso cargo ao meu ilustre sucessor (porque não estava no País) fiz questão de gravar, junto com Alarico, um vídeo de saudação.

Domingo passado havia o irresistível convite para o almoço dos Homens na Cozinha, além do encerramento da Feira do Livro. Para ter uma idéia da importância e do respeito que Caçapava do Sul me merece, e da alegria que sempre foi para mim estar aí, basta dizer que, embora fosse o Dia das Mães, e embora minha mãe estivesse convalescendo de grave acidente, consegui harmonizar a programação e parti cedo da manhã rumo a essa inesquecível cidadela farroupilha. Como sinal eloqüente da importância dessa viagem, uma verdadeira delegação me acompanhava: o Alarico, a minha esposa Linda, a minha cunhada e colega Márcia, o meu cunhado Roberto, o meu sobrinho Cassiano e o meu sogro, o eterno vereador esteiense Helio Lutz. A viagem iniciou-se como uma verdadeira festa, com muitos presentes para os amigos que nos aguardavam. Partimos com alegria e grande expectativa para a confraternização junto à comunidade de Caçapava do Sul.

Entretanto, em meio ao trajeto, já na estrada, nos vimos na contingência de interromper a viagem, por intransponíveis motivos de absoluta força maior, de ordem particular. A comunicação, de nossa impossibilidade de seguir viagem, lamentando o inesperado, foi feita de imediato, tempestivamente, ao Sr. Pedro e ao meu amigo Cassol. E, com imensa frustração, retornamos a Porto Alegre.

A boa notícia é que já deixei combinado com o amigo Cassol que, na primeira oportunidade, VOLTAREMOS à gloriosa Caçapava do Sul.

Cordialmente,

José Antonio Anonymus Gourmet Pinheiro Machado

A propósito da 22ª Feira do Livro

Em nossa ótica, a 22ª Feira do Livro de Caçapava transcorreu a contento. Foi cumprida a vasta programação, praticamente na íntegra, salvo os imponderáveis resultantes de imprevistos com convidados. A ocorrência de público correspondeu plenamente, em especial nos eventos vespertinos, sob a atuação das escolas e grupos independentes. Um louvor aos professores, que se esmeraram em apresentar equipes bem treinadas e com coreografias aprazíveis.

 O teatro “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” lotou o salão do Clube e houve perfeita interação entre o grupo teatral e a plateia. As apresentações das diversas invernadas artísticas dos CTGs também sempre agradam ao público.

  Nos eventos noturnos, não há como deixar de destacar as palestras de Dilan Camargo, abordando o tema “a poesia para crianças e jovens”; de Airton Ortiz, em especial pela manhã, quando do encontro com estudantes, incentivando a leitura como indispensável para a futura qualificação profissional; de Maria Rita, salientando a importância da conscientização das etnias; de Euclides Torres, abordando a urgente preservação do patrimônio histórico do município.

 Os fatos de maior relevo, sem dúvidas, ficam com o 3º Prêmio Literário, ao qual concorreram quase meio milhar de inscrições, algumas do exterior e de várias outras unidades da Federação. A destacar a presença da premiada Silvana Michele Ramos, paraense que atravessou o país para vir receber seu prêmio de 1º lugar na categoria conto-comunidade. O lançamento de livros de oito escritores caçapavanos foi outro ponto relevante do evento, acrescendo, assim, o acervo literário do município.

 Finalmente, o sempre festejado almoço “Homens da Cozinha”, contribuição do Lyon Clube local e que, desta vez, acumulou com homenagem ao “Dia das Mães”. Ao fim e ao cabo, esta edição da Feira do Livro seguiu o sucesso das anteriores, fruto do empenho da Comissão Organizadora, apoiada por enorme gama de patrocinadores e colaboradores, sempre ciosa em apresentar ao público programação de quantidade, qualidade e diversidade, e que estimule a comunidade a buscar na leitura, além do prazer da boa prosa ou poesia, contribuir para o cabedal de conhecimentos gerais. 

Por Rivadávia Severo

Dez dias para valorizar a arte e a cultura

Fonte Gazeta de Caçapava

Nas bancas, trabalharam algumas das principais instituições de nossa cidade: PTG Ronda das Sesmarias, Coeducar, Unipampa, Urcamp, Lions, Liga Feminina de Combate ao Câncer, Apae, Seduc, Biblioteca Pública Municipal, Paróquia e Ponto de Cultura. Eram atendentes voluntários que dedicaram-se, durante dez dias, à Feira do Livro.
 
Amizades nascem e se fortalecem a cada nova feira. Todos trabalham com alegria e boa vontade em prol do desenvolvimento cultural de nossa cidade. Um grupo, de professoras artistas da Seduc, ano após ano, decoram os estandes e o salão. Nos bastidores trabalham anônimos funcionários, doadores de livros usados, pessoas da comunidade, profissionais de fotografia, som, luzes, além de representantes da imprensa falada e escrita.
 
Inúmeros artistas coloriram e agitaram no palco e arredores do Salão Paroquial. Houve espetáculos de dança, música, teatro, protagonizados por crianças, jovens e adultos, em sua maioria, caçapavanos. Filhos, pais, avós, colegas, alunos, professores e amigos, na plateia, fotografando, aplaudindo, encantando-se com as belíssimas apresentações.
 
Suzete Pozzebon, funcionária da Câmara de Vereadores, organiza as listas de livros, num programa de computador que disponibiliza dados para pagamentos às editoras e autores independentes. Sem este sistema, criado por Suzete, seria praticamente impossível o fechamento com as editoras com a velocidade que é efetuado.

 No quesito participação e envolvimento da comunidade, só podemos elogiar e agradecer. Muitas palestras e atividades com alunos foram realizadas por escolas, professores, escritores e artistas de Caçapava, que competentemente compartilharam com o público seus conhecimentos em diferentes áreas: tradição e folclore, patrimônio histórico, viagens e aventuras, poesia, conto, literatura infanto-juvenil. As belas esculturas e troféus que a Feira tradicionalmente oferece aos escritores, palestrantes, visitantes e homenageados, criadas por Edílson Trindade Diniz, artista plástico caçapavano.
 
A Feira do Livro de Caçapava do Sul transcende os dez dias de atividades no Salão paroquial, “contaminando” todos aqueles que valorizam a Arte e a Cultura.
 
Salientamos o trabalho de seriedade e dedicação do Dr. Jacques Duarte Cassel. Convidado para homenagear o prof. Eduardo Marin, fez uma verdadeira pesquisa sobre a vida profissional do professor. Graças a este meticuloso trabalho do médico, um grupo de ex-alunos e amigos que, inspirados nas histórias recontadas por Jacques, planejam agora “passear” com o velho e querido professor nas Guaritas. Quem sabe até, pensar num jeito de valorizar o Museu de Pedras lá montado por ele, mobilizando o Poder Público, a Imprensa e a sociedade? Acreditamos que nesta 22ª Feira do Livro os aspectos positivos superaram os negativos. Foi uma festa dedicada à literatura, um palco que recebe uma diversidade de linguagens, uma pluralidade de artes, descortinando horizontes para uma variada gama de artistas, tendo personagem principal sua excelência: o livro.

por Rosalilia Torres

Receita de amigo - Discurso da professora Rosane Miolo dos Santos no encerramento da Feira do Livro, domingo, dia 13


Saudamos os integrantes da mesa e, ao cumprimentá-los, destacamos o Patrono da 22ª Feira do Livro, colega e amigo Rivadavia Severo, dizendo da nossa alegria e reconhecimento por tão merecida homenagem.
 
Nessa noite de encerramento do evento Feira do Livro, coube-nos homenagear o Patrono da edição de 2011, escritor José Antonio Anonymus Gourmet Pinheiro Machado, junto aos seus familiares e ao pequeno Alarico.

 Eles não vieram, mas vocês, queridos amigos, aqui estão. Decidimos, então, homenagear todos os presentes, aquelas pessoas que realmente fazem a Feira de Caçapava do Sul acontecer. Dedicamos, pois, a mensagem, a seguir, ao Patrono Prof. Rivadavia e aos Coordenadores do evento cultural, meus grandes amigos Pedro, Denise, Luiz Hugo, Rosalilia, Carmem Suzanita, Carla, Felícia, Isa Dóris e demais colaboradores e apoiadores: Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores. Oferecemos a homenagem a todos os amigos dos estandes dos clubes de serviço e entidades, que durante dez dias receberam as crianças, os jovens e os adultos, divulgando os livros e a literatura, num trabalho voluntário e responsável.

 Confesso que não tenho habilidades culinárias; “quebro o galho na cozinha”, quando não quebro copos e pratos, ou abuso do sal no camarão. Mas tenho um anjo salvador, Zélia, a cozinheira da casa, que administra com perfeição o forno e o fogão. Assim, fico livre para brincar com as palavras, e descobrir nelas os mais diferentes saberes e sabores também.

 E para que as palavras, nesse momento, despertem sensações doces, recheadas de amizade e carinho, entremeadas, ainda, de aromas irresistíveis, optamos por oferecer aos amigos uma deliciosa receita: Receita de Amigo.

 Objetos para a receita: uma folha de papel, caneta, imaginação e sensibilidade na porta do coração. Organização das ideias: escolha um local silencioso e aconchegante, iluminado pelo sol da manhã, sente-se à mesa de trabalho e deixe o pensamento voar. Nessa aventura mágica, o rosto do amigo surgirá sorridente, presente.

 Ingredientes: selecione todos os sentimentos que permitam destacar os agradáveis momentos vividos ao lado do sempre e fiel amigo. Nada que denote quantidade, peso ou medidas equivalentes, para que tais sentimentos se tornem realmente espontâneos e companheiros. Modo de fazer:

         - Abra o coração e deixe voar pelos ares a surpresa do reencontro;

         - Acrescente, aos poucos, alegria, em forma de brilho no olhar;

         - Misture carinho e felicidade no ato de abraçar e acolher;

         - Adicione companheirismo, batendo palmas e sorrindo;

         - Junte, ainda, compreensão, união e fidelidade, para fortalecer ainda mais a amizade;

         - Respire fundo, controle a emoção, mas não pare de sorrir;

         - Reorganize o pensamento e abra caminho para as lembranças, com aromas de nostalgia;

         - Pare um pouco e só então revele a saudade, aconchegada no lado esquerdo do peito.
 
Dica importante: oferte esse fruto doce da harmonia com mãos leves e fortes braços de abraçar carências. Dê um toque a mais à sua amizade, acrescentando ternura e amor no seu caminho.

         Amigos!
 
Precisamos acrescentar algo mais a essa mensagem:
 
Voltem sempre para aplaudir os livros que também despertam milhares de sensações: livro novo tem cheiro de perfume doce, ou quem sabe, de pipoca quentinha; o folhear de páginas permite tocar no frágil corpo; se os olhos não veem a paisagem descrita, a imaginação enxerga longe no horizonte; ouvir histórias é entrar na própria história e vestir a personagem. E se na maioria das vezes, nossa imaginação viaja entre a memória visual e a auditiva, salivar também é permitido. De que forma? Basta ler uma receita de amigo, para unir e reunir a família e os amigos.

 Voltem sempre para saudar, homenagear e reencontrar os livros.

 Caçapava do Sul, uma cidade que lê, sabe realmente apresentar receitas e conversas do coração aos verdadeiros e fiéis amigos.

  Voltem amigos, hoje e sempre!

  Muito obrigada!

Vencedora do Prêmio Literário visita a Câmara

por Lorenzo Stefani
 

O 3º Prêmio Literário Legislativo, lançado durante a 22ª Feira do Livro de Caçapava do Sul, através de um concurso de poesias e contos criado pela Câmara de Vereadores em parceria com a Casa do Poeta, foi um verdadeiro sucesso.

O reflexo deste fato foi a visita de uma escritora do Estado do Pará, que viajou até Caçapava para receber o troféu do Prêmio Literário, onde foi a vencedora na sua categoria.

Desta forma, a representante do Nordeste do Brasil, Silvana Ramos, ficou durante a última semana em Caçapava e realizou nesta sexta-feira, dia 18, uma visita ao presidente da Câmara, vereador Ilson Tondo, para agradecer ao Poder Legislativo por incentivar a cultura, principalmente na publicação de um livro com os melhores trabalhos do concurso literário.

A visita durou cerca de 30 minutos, onde foi discutido o crescimento do concurso, que já se tornou internacional, tendo participantes de outros Estados e também do Japão e da Suíça.

A Presidente da Casa do Poeta “Capocaça”, Felicia Lopes acompanhou a audiência, além dos demais vereadores que compõe do parlamento. Silvana ficará em Caçapava até sábado, dia 19 de maio.

Almoço “Homens na Cozinha” do Lions Clube

Fonte: Portal Farrapo




A renda de cerca de R$ 2 mil reais obtida com a realização de mais uma edição do tradicional almoço “Homens na Cozinha”, promovido pelo Lions Clube de Caçapava do Sul, terá sua renda revertida em benefício de obras sociais, no município.

Apesar da ausência do convidado especial José Antônio Anonymus Gourmet Pinheiro Machado, um bom público esteve presente no salão de festas da AABB, prestigiando a iniciativa. Destaque, ainda, para a equipe de cozinheiros responsável pelo delicioso cardápio de pratos quentes apresentado, e às senhoras integrantes do clube de serviço, responsáveis pelo variado e saboroso bufê de sobremesas.

Durante o evento gastronômico que faz parte da programação da Feira do Livro, houve desfile da boneca Lions 2011/2012, Louize Cavalheiro Krusser, e da bonequinha 2010/2011, Rafaela Ismério.

Na oportunidade, Juarez Teixeira falou em nome do Lions Clube parabenizando as Mães pelo transcurso de seu dia. Através de sorteio, Eluci Zago ganhou um bonito buquê de flores como símbolo da homenagem.

Por Osvaldo Carlos Dias

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Tio Cida recebe homenagem na Feira do Livro



Tio Cida recebeu a homenagem das mãos do presidente do Legislativo


 No domingo, dia 13 de maio, data em que aconteceu o encerramento da 22ª Feira do Livro de Caçapava do Sul, o servidor público municipal aposentado, Francisco Acidemar Nunes (Tio Cida), foi homenageado pela coordenação da Feira, pelos serviços prestados a cultura de Caçapava.

O Tio Cida como é conhecido, recebeu a honraria, principalmente por ser um grande incentivador da cultura, como carnavalesco, diretor do Grupo Clara Nunes, ministra oficinas de música, autor do projeto “Som da Liberdade”, componente da Banda Municipal e por coordenar vários projetos gratuitos que visam o crescimento das apresentações artísticas voltadas ao folclore local e da tradição do Brasil.

A homenagem foi entregue pelo presidente da Câmara, vereador Ilson Tondo, que falou da importância de valorizar essas pessoas que prestam há muito tempo um grande serviço cultural ao município.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Paraense presenteia a Casa do Poeta de Caçapava





A vencedora do Terceiro Premio Literário, Silvana Michele Ramos, residente em Ananindeua no Pará, presenteou a Casa do Poeta de Caçapava com uma cerâmica Tapajoara cheia de bombons com sabores do norte.

Silvana, ao presentear os integrantes da Casa do Poeta frisou que trouxe através da cerâmica um pedacinho do Pará. Ainda possibilitou aos integrantes da Casa a degustação dos produtos do Belém do Pará com doces de cupuaçu e castanha.

Feira do Livro encerrou neste domingo(13) com muito sucesso

Especial para o Jornal do Pampa

Com o slogan “Caçapava do Sul, uma cidade que lê” a Feira do Livro ao longo dos anos tem se consolidado como um evento de porte que mobiliza cidadãos de todas as idades, classe e cor da região. Dez dias de atrações literárias e artísticas, carregados de emoção, encerrou no domingo, 13 de maio, quando também foram lembrados os dias mães e a Abolição da Escravatura no Brasil que culminou com a belíssima reverência ao Tio Cida.
 
A edição deste ano, 22°, foi dedicada aos cem anos da primeira edição do livro “Contos Gauchescos", de João Simões Lopes Neto.  Justa homenagem que teve a apresentação do filme, uma adaptação em episódios de quatro contos do livro. Produzido e dirigido por Henrique de Freitas Lima que marcou presença na feira.
 
O coordenador da feira em sua sétima gestão, Pedro Vanolin, transpira satisfação quando menciona o retorno dos escritores visitantes que elogiam o modelo de feira organizado voluntariamente por uma Comissão Cultural de Caçapavana, a calorosa recepção dos padrinhos que os acolhem e dos leitores e visitantes que os acediam. Para o coordenador o patrocínio financeiro da Prefeitura Municipal de Caçapava do Sul, da Câmara de Vereadores e Banco Banrisul foi à base propulsora do sucesso da feira.
 
Muitos momentos especiais de comoção e brilho poderiam ser mencionados em toda realização da feira como a interação e integração de todas as escolas do município, as homenagens a pessoas ilustres de Caçapava de Sul, os lançamentos dos livros de escritores caçapavanos, as exposições de artes plásticas, as oficinas literárias e a novidade deste ano que foi o Centro Cultural do FIERGS-SESI com a biblioteca itinerante que foi muito visitado.
 
Em destaque, o Patrono da XXII da Feira do Livro, professor e escritor Rivadávia Severo, sempre altivo, esteve atento e presente em todos os momentos do evento e dele é as palavras a seguir:
 
“Em nossa ótica, a XXII Feira do Livro de Caçapava transcorreu a contento. Foi cumprida a vasta programação, praticamente na íntegra, salvo os imponderáveis resultantes de imprevistos com convidados. A ocorrência de público correspondeu plenamente, em especial nos eventos vespertinos, sob a atuação das escolas e grupos independentes. Um louvor às professores, que se esmeraram em apresentar equipes bem treinadas e com coreografias aprazíveis. O teatro “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” lotou o salão do Clube e houve perfeita interação entre o grupo teatral e a plateia. As apresentações das diversas invernadas artísticas dos CTGs sempre agradam ao público.
 
Nos eventos noturnos, não há como deixar de destacar as palestras de Dilan Camargo, abordando o tema “a poesia para crianças e jovens”; de Airton Ortiz, em especial pela manhã, quando do encontro com estudantes, incentivando a leitura como indispensável para a futura qualificação profissional; de Maria Rita, salientando a importância da conscientização das etnias; de Euclides Torres, abordando a urgente preservação do patrimônio histórico do município.
 
Os fatos de maior relevo, sem dúvidas, ficam com o 3º Prêmio Literário, ao qual concorreram quase meio milhar de inscrições, algumas do exterior e de várias outras unidades da Federação. A destacar a presença da premiada Silvana Michele Ramos, médica paraense que atravessou no país para vir receber seu prêmio como contista. O lançamento de livros de oito escritores caçapavanos foi outro ponto relevante do evento, acrescendo, assim, o acervo literário do município.
 
Finalmente, o sempre festejado almoço “Homens da Cozinha”, contribuição do Lyon Clube local e que, desta vez, acumulou com homenagem ao “Dia das Mães”. Ao fim e ao cabo, esta edição da Feira do Livro seguiu o sucesso das anteriores, fruto do empenho da Comissão Organizadora, apoiada por enorme gama de patrocinadores e colaboradores, sempre ciosa em apresentar ao público programação de quantidade, qualidade e diversidade, e que estimule a comunidade a buscar na leitura, além do prazer da boa prosa ou poesia, contribuir para o cabedal de conhecimentos gerais.”

Ônibus do Sesi foi um sucesso na Feira do Livro




A parceria entre a Dagoberto Barcellos e o Sesi para trazer o ônibus biblioteca para a 22ª Feira do Livro de Caçapava do Sul deu certo. Alunos de todas as escolas do município foram conhecer de perto o ônibus  com seu acervo com mais de quatro mil livros composto de vários títulos, além de gibis e jornais. Mesas, cadeiras e sofás da sala de leitura ficaram totalmente tomados de leitores de todas as idades durante todos os dias da feira, isso tudo num ambiente totalmente climatizado para promover uma melhor acomodação e o convite  a leitura.

De acordo com a coordenadora da Biblioteca do Sesi, Olga Martins de Bem, existem duas unidades do ônibus cultural do Sesi/Fiergs e que são direcionados aos industriários que realizam feiras e eventos de grande porte, que duram em média de cinco a 10 dias. Segundo Olga, os livros que fazem parte do acervo são brasileiros, rio-grandenses, biografias, literatura e ficção estrangeira. “O Sesi tem tentado se manter sempre muito antenado com o que as pessoas procuram, a cada ano existe uma atualização e a  ideia é sempre ir ao encontro do que o leitor quer”, relatou.

Foi com a intenção de incentivar e oportunizar a leitura, tornando-a um hábito prazeroso que a DB encerrou a sua participação na Feira do Livro através desta parceria com o Sesi/Fiergs que  mantém suas bibliotecas e desenvolve, há muitos anos, vários projetos literários em todo o Brasil, dentre os quais as feiras de livros. Em qualquer situação, o livro é uma excelente companhia e, nesse caso, a Feira do Livro foi propícia para uma boa leitura.


Maridiane de Moura
Assessoria de Imprensa da DB

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Dia dedicado ao encerramento da Feira do Livro: 13 de maio

12h: almoço festivo “Homens na Cozinha”, na AABB, promovido pelo Lions Clube, com a participação de José Antonio Anonymus Gourmet Pinheiro Machado, Alarico e família.
16h: abertura da Feira e apresentações: Invernada Artística do CTG Pampa e Querência e Arca do Noé Criações exibe a peça “Feiticeira das Pampas”, com coordenação de Lúcia Freitas e Roselaine Dotto.
17h: apresentação do Grupo “Clara Nunes”.
19h: saudação ao escritor Anonymus Gourmet. Oradora: Rosane Miolo dos Santos.
19h: manifestação do Patrono da Feira do Livro no ano de 2011: José Antonio Anonymus Gourmet Pinheiro Machado.
19:50h: homenagem ao artista Francisco Acidemar Nunes (Tio Cida). Oradora: Maria Elaine dos Santos Rodrigues.
20h: show musical “Mestiço”, com Darlan Freitas e Banda.
22 horas: fechamento dos estandes e encerramento da XXII Feira do Livro.

Dia dedicado aos Escritores Caçapavanos: 12 de maio

9 às 12h: oficina de “O texto em sala de aula”, ministrada pela escritora Jane Tutikian, (2ª parte), no I.E.E. Dinarte Ribeiro.
16h: abertura da Feira e apresentações: Coral Cantar é Viver, com regência de Gerson Núbias; Artes Marciais da Academia Phisical; DTG da E.M.E.F. Augusto Vitor Costa e Academia MIX Dance, da professora Kátia Xavier dos Santos.
19h: apresentação do Grupo de Arte Nativa “Os Chimangos”.
19:30h: Rivadavia Severo presta homenagem aos escritores caçapavanos.
Livros:
“Caçapava do Sul: História, Tradição e Natureza”, de Zeno Dias Chaves
 “Doces lembranças”, de Alfredo Laureano de Brum Sobrinho
“Farrapos & Sabinos”, de Euclides Pinto Torres
“Florada da Alma” e “Inquietude do Íntimo”, de Ivan Pessoa Moreira
“Flores a Vovô Miguel”, de Lislair Leão Marques
“Gente Campeira”, de Lori da Rosa Krusser
“Pela janela da imaginação”, de Felícia Teresinha Soares Lopes
“Rios de Sangue” e “Cinzas do Sul”, de José Antonio Severo
19:45h: a palavra dos escritores caçapavanos e entrega dos troféus.
20:30h: sessão de autógrafos dos escritores caçapavanos, com participação especial do escritor José Antonio Severo.
22h: fechamento dos estandes.

Dia dedicado ao Conto e à Literatura Infanto-Juvenil: 11 de maio

9 às 12h: oficina de “O texto em sala de aula”, ministrada pela escritora Jane Tutikian, (1ª parte), no I.E.E. Dinarte Ribeiro.
9h: abertura da Feira.
10h: jornalista Euclides Torres explica: “Porque é importante e urgente preservar o patrimônio arquitetônico-histórico de Caçapava do Sul!” (com destaque para dois locais: Casa dos Ministérios e Forte D. Pedro II).
11:30h: fechamento da Feira.
14h: reabertura da Feira e encontro da escritora Maria Rita Py Dutra com as crianças.
14:30h: Oficina “Desconstruindo Preconceitos”, ministrada por Maria Rita Py Dutra, no I.E.E. Dinarte Ribeiro.
14:30h: apresentações: E.M.E.F. São João Batista; E.M.E.F. Vilmar Antônio Madeira e E.M.E.F. Nossa Senhora das Graças.
15h: Jane Tutikian conversa com alunos. 
19h: apresentação do Grupo Filhos de Ghandi, da E.M.E.F. Augusto Vitor Costa.
19:20h: saudação à escritora Maria Py.  Oradora: Cátia Cilene Morais Dutra.
19:30h: Maria Rita Py Dutra aborda o seguinte tema: “Rompendo barreiras: relação entre consciência racial e capital cultural”.
20h: saudação à escritora Jane Tutikian.   Oradora: Carmeliane Rodrigues Batista.
20:10h: exibição de um vídeo sobre a vida e a obra de Jane Tutikian e palavra da escritora sobre a “Importância da leitura”.
21h: sessão de autógrafos de Jane Tutikian e Maria Rita Py Dutra.
22h: fechamento dos estandes.

Dia dedicado aos vencedores do 3º Prêmio Literário Legislativo: 10 de maio

9 às 12h: oficina de poesia e criatividade “Os Elefantes Também Voam” – Jogos de expressão e linguagem, ministrada por Mário Pirata (2ª parte), no I.E.E. Dinarte Ribeiro.
14h: abertura da Feira e apresentações: E.M.E.I. Iracema Cidade; E.M.E.I. Pedacinho de Gente; E.M.E.I. Eva Saldanha e Colégio Coeducar.
14:30h: Arca do Noé Criações apresenta a peça teatral “Até parece magia”, com coordenação de Lúcia Freitas e Roselaine Dotto.
15h: “Hora do Conto” por Lucilene Elvira dos Santos Porto.
18h: missa em Ação de Graças aos 22 anos da Feira do Livro, na Igreja Matriz N.S. da Assunção, com participação do Coral Municipal Infanto-Juvenil.
19h: Sessão Solene da Câmara Municipal de Vereadores, no recinto da Feira do Livro, em homenagem ao Terceiro Prêmio Literário Legislativo. 
19:30h A Câmara Municipal de Vereadores presta homenagem à Feira do Livro de Caçapava do Sul e aos vencedores do 3º Prêmio Literário Legislativo, promovido em parceria com a Casa do Poeta “Clara Haag Kipper”. Serão anunciados e premiados os vencedores.
20:30h: sessão de autógrafos dos vencedores do terceiro concurso literário promovido pela Câmara Municipal de Vereadores.
22h: fechamento dos estandes.

Entrega do 3º Prêmio Literário Legislativo



Na quinta-feira, dia 10, a Câmara Municipal de Vereadores realizou uma sessão solene em homenagem aos vencedores do III Prêmio Literário Legislativo, que foram classificados no concurso de contos e poesias, que há três anos é feito em parceria com a Casa do Poeta de Caçapava do Sul - CAPOCAÇA.

A sessão foi realizada no Salão Paroquial, onde foi homenageada também a comissão organizadora da XXII Feira do Livro e a vereadora Rosilda Freitas, como ex-presidente do Legislativo e incentivadora do Prêmio. Estava presente também na  solenidade a idealizadora do Prêmio Literário Legislativo, a ex-vereadora Rosane Abdala, que auxiliou os parlamentares na entrega dos premiados.

Este ano, devido à ampla divulgação do Prêmio inclusive pela internet, houve participantes de vários estados do país e alguns trabalhos de brasileiros que estão fora do Brasil, como Japão e Suiça. 

Os vencedores no estilo poesia, categoria ensino fundamental foram Graziela Nunes, Letícia Antunes e Alice Pereira, da cidade de Tijucas, SC. Dos alunos do ensino Médio, os vencedores foram Marwio Câmara, da cidade de Santa Cruz, RJ, o 2º lugar ficou com a caçapavana Karolene Ramires da Escola Técnica Rubens da Rosa Guedes e o 1º lugar com o aluno Érecles Horstamm de Tijucas, SC. Na categoria Acadêmicos, os vencedores foram Karline Costa, do Ceará, João Paulo Hergesel de São Paulo e Antonio Baracat, da cidade de Itabuna. Das pessoas da comunidade, que participaram, os premiados foram Maria Celeste Carloto, que reside em Porto Alegre, André Soares e o caçapavano Ubiratã Soares.

No estilo conto, na categoria ensino fundamental, o 3º lugar ficou com a aluna da Escola Januária Leal, Paula Giovana Santos e os demais alunos premiados foram Ana Paula Rodrigues e Matheus Alves campos, ambos da cidade de Tijucas, SC.

Na categoria acadêmica, os caçapavanos Edson Luis marques e Roger Fabiano Alves ganharam os 3º e 2º lugares e o primeiro lugar foi para o estudante João Paulo Hergesel da cidade de Sorocaba, SP. Na categoria contos – comunidade os vencedores foram Márcia Regina Araujo e Edweine Loureiro com o 3º e 2º lugares, sendo o primeiro lugar entregue para Silvana Michele Ramos, moradora do estado do Pará, que veio até aqui receber seu prêmio e prestigiar a Feira do Livro. Silvana é formada em medicina e já tem trabalhos publicados em livros de outros autores. 

A vereadora Rosilda Freitas falou em nome da Câmara e a Presidente da Casa do Poeta, Felicia Lopes usou a palavra para agradecer ao legislativo por dar continuidade ao Prêmio.

Na oportunidade foi lançado também o livro do 3º Prêmio Literário, contendo todos os trabalhos premiados no concurso. Cada um dos classificados recebeu exemplares deste livro e no final da solenidade houve uma sessão de autógrafos dos escritores homenageados. Uma parte destes livros serão doados para escolas e instituições.

No encerramento da sessão, o Presidente da Casa, Ilson Tondo, falou da importância de incentivar a cultura e da valorização cada vez maior do Prêmio Literário Legislativo, comentando que esta iniciativa já ultrapassou a esfera municipal, se tornando um concurso nacional e até mesmo internacional, pela participação de pessoas de outros estados da federação e de fora do País.

Flores a Vovô Miguel


 Fonte: Jornal Gazeta de Caçapava
Teve início na última segunda-feira, dia 07, e vai até às 12h de sábado, dia 12 de maio, a exposição de aquarelas “Flores a Vovô Miguel”, da artista e escritora caçapavana Lislair Leão Marques.

Segundo a artista, o tema escolhido é uma homenagem a uma seleção de poemas de seu bisavô, Miguel dos Santos Paz, feitos entre 1891 e 1897, que tinham sempre as flores como assunto principal.

- Através das flores, ele faz um comparativo com a mulher. Por isso o tema da exposição são as flores. Foi um resgate, tínhamos na família diversos poemas de Miguel dos Santos Paz, então quando li, resolvi editar, fazer um livro e também uma exposição – explicou Lislair.

As telas que estão expostas na Escola Dinarte Ribeiro são as mesmas que foram publicadas no livro, que será lançado no sábado, a partir das 19 horas na XXII Feira do Livro, com sessão de autógrafos da autora.

Criançada embarca no ônibus da literatura


 Fonte: Jornal Gazeta de Caçapava

O ônibus cultural do Sesi Foto:Heron Freitas
 
A tarefa dos professores não foi fácil durante a programação da 22ª Feira do Livro. Além de organizar as turmas durante as apresentações vespertinas, eles tiveram que conter o entusiasmo da criançada que literalmente embarcou no ônibus da leitura.

Fascinado com os livros, o pequeno Emerson Barcelos, de 7 anos, folheou todas as páginas da história em quadrinhos do Sezinho. Emerson é um dos alunos da professora Ângela Garcia, que aproveitou, com seus coleguinhas do 2º ano da Escola Januária Leal, a tarde de terça-feira, dia 09, no ônibus da literatura.

Originado de um projeto que pretende difundir o hábito da leitura de forma dinâmica, o ônibus faz parte de uma iniciativa cultural do Sesi. Circula pelas cidades do Estado há 20 anos. A finalidade é criar condições para a leitura em contextos diferentes dos da escola, onde os alunos e a comunidade possam ter uma relação mais livre e pessoal com as mais diversas modalidades textuais.

Segundo o assistente cultural do Sesi, Deivid Trindade, o acervo da biblioteca itinerante dispõe de aproximadamente 4 mil livros. As obras são de temática infanto-juvenil.

- A estrutura do ônibus é formada por dois estandes de livros, espaço para leitura e para apresentações. A partir do próximo semestre, poderá contar também com espaço para cursos de informática - disse Deivid.

O ônibus cultural do Sesi ficará aberto para visitação até sábado, dia 12. Ele está estacionado em frente à Casa de Borges de Medeiros. A iniciativa conta com a parceria da empresa Dagoberto Barcelos.

Homenagem ao professor Eduardo Marin


O professor Eduardo Marin, que se dedicou ao magistério durante 40 anos, foi homenageado na 22ª Feira do Livro, na noite de terça-feira, dia 8. Aos 88 anos, Marin falou sobre os colaboradores que o apoiaram na reestruturação e implantação do Ensino Médio na Escola Estadual Nossa Senhora da Assunção: professores, funcionários e pessoas da comunidade. Também contou sua trajetória e história junto ao educandário.

Ex-alunos do professor participaram da homenagem e viajaram no tempo relembrando as aulas de geografia, as brincadeiras, os lanches, os amigos e colegas, os ensinamentos e principalmente as lições de vida que nortearam a caminhada de cada um.

Natural de Nova Palma, onde morou até a juventude, saiu de lá para fazer o ensino médio em Vale Vêneto, onde estudou latim, italiano, grego e francês. Apesar de ser formado em Filosofia com pós-graduação na Palestrina, em Porto Alegre, foi convidado pelo padre Otávio Cequim, em agosto de 1959, para lecionar geografia no Ginásio Estadual.

Fez parte da Sociedade Educacional de Caçapava, que teve sua origem em 1938, foi presidente da entidade e diretor da escola de 1963 a 1965, quando um marco histórico educacional e social aconteceu: a implantação do Ensino Médio com o início do curso científico, em abril de 1965.

Criou a biblioteca da escola, coordenada pela professora Maria Marques (já falecida). Iniciou a construção da parte nova, na rua General Neto, com recursos doados pelo prefeito Elpídio Cidade, e como presidente da Sociedade Educacional, construiu a parte nova do colégio, na rua Coriolano Castro, local que, de acordo com ele, foi muito feliz.

O professor lembrou também do empenho da comunidade escolar diante das dificuldades da época.

- Tinha colegas maravilhosos. Aprendi com eles. Caçapava tem muita gente boa, que olha para o futuro e aposta nele. Inúmeras pessoas e entidades nos apoiaram: Rádio Caçapava, Rotary Clube, Maçonaria e Câmara de Vereadores. Reynaldo Cidade foi a pessoa mais incansável no desenvolvimento do Ensino Médio e Eliseu Benfica também contribuiu muito com a escola. Ainda tinha uma equipe que ajudava a colocar a casa em ordem, como Luiza Macedo Machado, Manoel Torres, Maria Marques (já falecidos) e Saionara Ricalde - falou agradecidamente o professor.

         Dois anos depois de ter se aposentado da Escola Estadual, ainda lecionou Geografia na Urcamp. Em 19 de abril de 1995 recebeu o título de Cidadão Caçapavano, um reconhecimento do seu trabalho junto à comunidade.

        
A descoberta do megatério

Na década de 70 foi um dos principais protagonistas e coordenadores de um dos maiores fatos históricos e científicos da cidade: a descoberta e remoção dos ossos do megatério, do rio Pessegueiro, afluente do rio Santa Bárbara. Desde então, o local denomina-se Passo do Megatério. Alguns ossos encontram-se no Centro Municipal de Cultura e outros no Museu da Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Porto Alegre.

Muitos pesquisadores e universidades o consideram referência em paleontologia e geologia em Caçapava. No livro Museus & Fósseis da Região Sul do Brasil, lançado em abril de 2011, ele é citado, com fotos da descoberta do megatério.

Eduardo Marin dedica-se atualmente a organização de um Museu Geológico no Espaço Cultural Bruno Stein, na Associação das Guaritas e a um programa semanal sobre drogas, com orientações, informações e apoio aos pais de dependentes químicos.

- Tivemos mais uma belíssima aula de nosso mestre Eduardo Marin. Falando de improviso, do alto de seus 88 anos, nos ministrou uma lição de vida. Com a mesma voz forte de tanto anos atrás, postura altiva, curiosidade de menino e humildade de quem respeita a vida, resgatou a história do ensino em Caçapava do Sul. Lembrou da trajetória de nosso colégio, que em vários momentos confunde-se com a sua própria história. Recordou de pessoas queridas da comunidade, como Reynaldo Cidade, Manoel Torres e Maria Marques, que foram decisivas para o desenvolvimento da educação no município. Falou da solidariedade do povo caçapavano. Ele, que nos fazia viajar por montanhas, mares e tantos países, observando nuvens, pecuária, agricultura, clima e povos, desta vez nos fez viajar ao passado - disse Denise Reischl, ex-aluna.


Carta de Jane Tutikian aos Caçapavanos


Meus queridos amigos de Caçapava,

pensava que ia comemorar com vocês minha primeira semana de sexagenária, e não consegui, como boa idosa debutante, estou aqui toda dura, com uma crise de coluna.

Brincadeiras à parte, gostaria mesmo era de estar aí com vocês, nesta festa do livro. Uma das perguntas que mais tenho respondido nos últimos tempos tem sido se o livro vai acabar. Não. Não vai, enquanto tivermos quem tome a frente na organização de uma Feira por acreditar na importância dos livros e das pessoas, ele não vai acabar. O homem levou séculos para chegar à escrita, ao alfabeto, ao papel, ao livro. Cada livro, por mais singelo que seja, é patrimonio de uma civilização inteira!

Neste momento em que vivemos, de depressa produzir para mais depressa consumir, pode ser que exista quem pense que o livro sequer justifique o mundo. Ele é inútil, porque útil é o dinheiro.

Mas não nos enganemos. Sempre que vendemos ou trocamos alguma coisa nós a perdemos. Aprendi isso com o filósofo Nuccio Ordine. Se eu tenho o relógio e troco por uma outra coisa, eu o perco. Se eu o vendo, eu o perco. A única coisa que não se perde quando se dá é a cultura, é o conhecimento. Já dizia  Durrel, no quarteto de Alexandria, que só no silêncio ativo do artista é que a realidade pode ser apreendida naquilo o que ela tem de verdadeiramente significativo.  

Eu os convido, então, para que façamos, um exercício de imaginação: estamos numa caverna escura e temos conosco uma pequena caixa de fósforos. Vamos acender um de cada vez, ele vai iluminar um ou dois passos e precisaremos acender outro e outro. O texto literário não é mais do que um pau de fósforo numa caverna e a escolha é nossa: ou iluminamos o próximo passo ou vamos nos batendo no escuro. É o pequeno facho de luz que produz o conhecimento e o autoconhecimento, é o que nos leva a perguntar, a responder, a imaginar, a sentir o prazer e viajar pela paixão, até porque as palavras ultrapassam as máquinas, elas  são pontes, mesmo quando dizem o contrário do que querem dizer, porque revelam mesmo quando escondem, porque são o meio de nos unirmos ao mundo e aos nossos semelhantes. 

Estendamos, então, a caixa de fósforos para as nossas crianças e jovens, somos nós, todos, família e professores, responsáveis pela formação do leitor. Em relação a eles, é obrigação, não é escolha.  Eles ainda podem ser pessoas melhores e mais felizes do que nós. É para isso que a literatura existe, é para isso que os livros existem, é para isso que as feiras existem.

Um beijo a todos e parabéns por mais esta edição da Feira do Livro de Caçapava.

Jane Tutikian

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Entrega do Prêmio Literário será transmitida ao vivo


Fonte:
Lorenzo Stefani

Cerimônia de entrega realizada em 2011 (Foto: Arquivo/Imprensa Câmara)
Nesta quinta-feira, dia 10, a Câmara de Vereadores de Caçapava do Sul estará realizando no salão paroquial, a partir das 19 horas, uma sessão solene em homenagem aos vencedores do 3º Prêmio Literário Legislativo e a XXII Feira do Livro.

Mas como principal atração desta solenidade é a transmissão ao vivo da sessão através da TV Câmara, em parceria com o provedor Farrapo de Caçapava do Sul. Desta forma, toda a comunidade pode acompanhar em tempo real a premiação dos alunos e comunidade que serão premiados pelo concurso.

Na oportunidade será realizado também o lançamento de um livro com as melhores obras deste concurso, poesia, crônica e conto.

Qualquer pessoal pode acompanhar a solenidade através do endereço www.camaracacapava.rs.gov.br ou www.farrapo.com.br

XXII Feira do Livro de Caçapava



Fonte: Jornal Gazeta de Caçapava

Repletos de livros e cartazes, os estandes no salão paroquial indicam o início de uma semana especial, voltada à cultura literária. É que hoje inicia a 22ª Feira do Livro de Caçapava.

Dedicada aos cem anos da primeira edição do livro “Contos Gauchescos”, de Simões Lopes Neto, o evento, que vai até o dia 13 de maio, promete atrair públicos de todas as idades.

A programação literária abre às 19 horas com o tradicional toque de sinetas dos xerifes. Logo após, acontece a cerimônia de transmissão do cargo de patrono, de José Antonio Pinheiro Machado, o Anonymus Gourmet, para o professor Rivadavia Severo. A palestra do escritor Alcy Cheuiche, que abordará vida e obra de João Simões Lopes Neto, completa o cronograma, às 20 horas.

Amanhã, dia 5, acontecem apresentações artísticas e de cantores locais, com destaques para a Invernada do CTG Família Nativista e Amanda Bairros representando o Ponto de Cultura, a partir das 16 horas. Depois, tocará a Banda Municipal Dr. Cyro Carlos de Melo. Durante a noite, as atenções se voltam para o espetáculo Musiclass em homenagem ao patrono, às 21 horas.

Também estão agendadas para a Feira a exibição do filme “Contos Gauchescos”, com a adaptação de quatro contos de João Simões Lopes Neto, no domingo, dia 6; a apresentação da peça teatral “O gato malhado e a andorinha Sinhá”, no Clube União Caçapavana, pelo Grupo “Teatro Por que Não?”, na terça-feira, dia 8; “Roda de Poesia”, atividade de Mario Pirata com as crianças na quarta-feira, dia 9; Homenagem da Câmara de Vereadores aos vencedores do 3º Prêmio Literário Legislativo, na quinta-feira, dia 10; apresentação do Grupo de Arte Nativa “Os Chimangos”, no sábado, dia 12 e homenagem ao artista Francisco Acidemar Nunes (Tio Cida), no domingo, dia 13.

A novidade deste ano é a presença da biblioteca itinerante do Sesi, que será instalada nas proximidades do local, funcionando entre os dias 7 e 14 de maio, das 14 às 22 horas, com leitura, atividades educacionais, recreativas e culturais e com acesso gratuito.

         “O patrono é uma bandeira da Feira”

Durante a semana o escritor Rivadavia Severo deu uma entrevista a Gazeta e falou sobre sua expectativa para o início de uma série atividades como patrono da Feira do Livro.

- O patrono é uma bandeira da Feira, ao lado da comissão organizadora. Como participo desde 2006, nada muda a respeito do encargo, porém me surpreendi pela importância que a comunidade atribui a isso. Jamais pensei que ser patrono da Feira seria tão valorizado- revelou Rivadavia.

         Dono de uma biblioteca repleta de obras e autores diversos, o escritor citou a influência que teve do pai para se tornar um leitor e pesquisador.

         - Ao lado de “Entrevero” (2011), último livro que escrevi, tenho muitas obras que utilizo para pesquisa, inclusive parte delas foi do meu tio avô. Ele era um literato e sempre nos incentivou à leitura - contou Rivadavia.

         Como patrono, disse ter participado de todas as formas possíveis, incluindo até divulgação no exterior: “A participação de gente de todos os lugares do mundo movimenta a Feira do Livro de Caçapava, exemplo disto é o Prêmio Literário que teve mais de 400 inscritos. Eu inclusive não perdi a oportunidade e coloquei um cartaz da Feira em Rivera”.

No currículo do jornalista, advogado, professor e escritor, de 74 anos, também estão os livros “Prosas das Sextas-Feira” (2006) e “Artigos para rádio e jornal” (2009). Rivadavia Severo participou, ainda, da atualização ortográfica e formatação do livro “Visão do Pampa”, de 1936, na edição especial de 2007.

sábado, 5 de maio de 2012

Transmissão do cargo de Patrono da Feira do Livro

 Fonte: Portal Farrapo

Nesta sexta-feira, dia 04 de maio, começou a maior festa cultural de Caçapava do Sul, que é a 22ª Feira do Livro. O evento acontece no Salão Paroquial e vai até o próximo domingo, dia 13 de maio.
Durante a abertura, a principal atração foi a transmissão do cargo de Patrono da feira. José Antonio Anonymus Gourmet Pinheiro Machado, Patrono do evento em 2011, enviou um vídeo (veja abaixo), onde fez a transmissão do cargo ao Patrono da feira deste ano, o professor e escritor Rivadavia Severo. Anonymus não pode estar presente devido a compromisso assumindo ainda no ano passado.
Em seu pronunciamento, Severo usou palavras de descontração e pediu para a comunidade aproveitar os 10 dias do evento, além disso, agradeceu a Anonymus Gourmet pela passagem do cargo.
Após a transmissão houve a manifestação das autoridades e a visita aos estandes que comercializam centenas de livros. A cerimônia contou com a presença de diversas autoridades, como o prefeito Zauri Tiaraju de Castro e o representante da Câmara de Vereadores, vereador Paulo Pereira, além integrantes da comunidade cultural de Caçapava.
Na programação da abertura houve também uma bela apresentação da performance de poesia com o estatuísta Marcos Bahrone, na figura de William Shakespeare.
Confira a programação da Feira para os próximos dias
Capa (clique aqui)
Verso (clique aqui)

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Dia dedicado à tradição e ao folclore gaúcho: 6 de maio

16h: abertura da Feira.
16:15h: apresentações: Invernada “Herdeiros da Tradição”, do CTG Sentinela do Forte; Invernada infanto-juvenil do CTG Sentinela dos Cerros e Grupo de Danças Roda de Chimarrão, do I.E.E. Dinarte Ribeiro.
18:30h: Apresentação da Invernada adulta do CTG Sentinela dos Cerros.
19h: exibição do filme CONTOS GAUCHESCOS, adaptação em episódios de quatro contos de João Simões Lopes Neto, produzida e dirigida por Henrique de Freitas Lima.
    Após a exibição do filme, mesa redonda para debate dos “Contos Gauchescos”, com a participação do cineasta Henrique de Freitas Lima, do escritor Alcy Cheuiche e do patrono da feira Rivadavia Severo.
22h: fechamento dos estandes.

Dia dedicado ao Patrono da Feira do Livro, escritor Rivadavia Severo: 5 de maio

16h: abertura da Feira.
16:15h: apresentações: Coral Vivência, com regência de Gerson Núbias; Academia Espaço Dança Fazendo Arte, da professora Juliana Silva Flores; Grupo de Danças Country, do I.E.E. Dinarte Ribeiro; Invernada Artística do CTG Família Nativista e apresentação de Amanda Bairros, representando o Ponto de Cultura.
17h: apresentação da Banda Municipal Dr. Cyro Carlos de Melo em frente ao Salão Paroquial.
19h: homenagens ao Patrono: 1. URCAMP em agradecimento e congratulações pelos 21 anos de docência. 2.APAE faz apresentação especial em homenagem ao Patrono.
19:15h: “Cultura em Movimento”, com Gilson Perdomo.
19:30h: apresentação de um vídeo sobre o Patrono.
20h: palestra e sessão de autógrafos do escritor Rivadavia Severo, Patrono da Feira do Livro.
21h: espetáculo MUSIClass em homenagem ao Patrono, escritor Rivadavia Severo, com patrocínio exclusivo da Unimed Centro RS.
22h: fechamento dos estandes.